Postado em: 21 de setembro de 2022 | Por: Ezequiel Neves

Brandão diz que pesquisa revela ‘vontade de continuar no rumo certo’

 

O governador Carlos Brandão (PSB), comentou, nas redes sociais, a segunda pesquisa Ipec divulgada pela TV Mirante e que aponta a sua liderança na disputa pela reeleição ao governo do Maranhão. A pesquisa Ipec foi a primeira do instituto após a visita do ex-presidente Lula ao Maranhão.

Segundo o Ipec, Carlos Brandão subiu de 28% para 41% e está 21% à frente so segundo colocado que é o senador Weverton Rocha (PDT). Considerando apenas os votos válidos, Brandão tem 47,1% e estaria a 3% de vencer a disputa logo no 1º turno.

Para Brandão, o resultado mostra a vontade da população maranhense de continuar os avanços alcançados nos últimos anos no Maranhão.

“Mais uma pesquisa reafirma que a nossa liderança é cada vez maior. Alcançamos 41% das intenções de voto, mais do que o dobro do segundo colocado, além de termos 47% dos votos válidos. Agradeço ao povo maranhense que tem manifestado a vontade de continuar no rumo certo!”, disse Carlos Brandão.

O candidato a vice-governador Felipe Camarão destacou a possibilidade de vitória de Brandão neste 1º turno.

“A pesquisa IPEC divulgada há pouco mostrou que Brandão 40 já está com 47% das intenções de votos (válidos). Estamos próximos da vitória no 1º turno. Contamos com vocês para nos ajudar a continuar o trabalho iniciado por Flávio e, dessa vez, em parceria com o presidente Lula”, afirmou Felipe Camarão.

Veja os números completos da pesquisa Ipec

JN mostra drama de família com filho portador de down para garantir escola

 

Um decreto do governo que o STF considerou inconstitucional está sendo usado para dificultar a matrícula de crianças com deficiência em escolas do ensino regular. A reportagem foi ao ar no Jornal Nacional e merece profunda reflexão por parte de todos nós. Veja a reportagem aqui.

As imagens falam, Laura está integrada às aulas, está feliz. Ela tem síndrome de down e o convívio com os amigos na escola regular foi fundamental no desenvolvimento da menina de 8 anos, mas isso quase não aconteceu.

“Nos foi sugerido que procurássemos uma classe especial, uma escola especial. Insatisfeita com isso, eu busquei a Federação Paranaense e a Brasileira das Associações de Síndrome de Down, a FEPASD e FBASD, e fizemos um manifesto que foi encaminhado aos setores da prefeitura municipal, onde a Secretaria Municipal de Educação respondeu citando o decreto. O decreto 10.502, ele tem sido utilizado indiscriminadamente para se recusar matrículas tanto na rede pública quanto na rede privada de pessoas com deficiência”, conta Liége Margot Schmidt, mãe da Laura.

O decreto 10.502 que a escola usou como base para recusar a matrícula é do governo federal, foi publicado em setembro de 2020 e instituiu a Política Nacional de Educação Especial. Só que desde dezembro daquele ano o decreto está suspenso por determinação do Supremo Tribunal Federal.

A decisão é liminar. Foi considerado inconstitucional, questionado por entidades da sociedade civil, porque o modelo proposto provocaria discriminação e segregação entre os alunos, e não inclusão. O que viola o direito à educação inclusiva.

Mesmo assim, dois meses depois da suspensão pelo STF, o secretário executivo do Ministério da Educação, que atualmente é o ministro, chegou a fazer uma live para defender o decreto.

“As escolas estão tendo que contratar profissionais especializados para ficar cuidando daquela criança, para ela não atrapalhar a aula dos demais alunos e aquela criança não está tendo o atendimento especializado que ela precisa”, afirmou o ministro da Educação, Victor Godoy Veiga.

O site do Ministério da Educação continua até o momento mantendo o material didático, como uma cartilha, com orientações para municípios e estados sobre a implementação da política que está suspensa. Foi com essas informações que a escola de Foz do Iguaçu, no Paraná, negou a matrícula da Laura no começo deste ano.

“Uma Política Nacional de Educação especial não deveria ser fruto de um decreto presidencial, porque o Brasil tem uma Constituição federal, que assegura os direitos das pessoas com deficiência, uma lei brasileira de inclusão e o Brasil é signatário da Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência que aqui tem status de emenda constitucional”, explica a diretora de educação, Raquel Franzim.

Dados do Censo escolar mostram que, pela primeira vez em 11 anos, o número de matrículas de alunos em escolas especiais públicas e particulares, de ensino infantil e fundamental, voltou a aumentar em 2021.

Organizações e entidades brasileiras ligadas à educação denunciam que as políticas públicas defendidas pelo MEC, hoje, estimulam que crianças especiais sejam matriculadas em escolas especiais e não nas regulares. Não só por causa do decreto. Uma outra forma seria o corte de investimentos na educação inclusiva pelo governo federal.

Relatório da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados revela que o Programa Escola Acessível, por exemplo, cumpriu apenas 12% da meta entre os anos de 2019 e 2021. Mesmo depois do auge da pandemia, os investimentos não aumentaram.

“Em 2021 não houve pagamento da dotação orçamentária autorizada nem de restos a pagar de anos anteriores. Falando em palavras mais simples: o governo federal investiu zero em materiais didáticos ou acessíveis para a inclusão em 2021. Não dar condições orçamentárias para política acontecer é uma estratégia de promoção do decreto”, aponta a coordenadora de advocacia, Luiza Andrade Corrêa.

A mãe da Laura brigou muito para filha estudar numa escola comum. Ela teve apoio de entidades que defendem a educação inclusiva e, ainda assim, só conseguiu a matrícula quando uma nova diretoria assumiu o colégio e garantiu o direito que deveria ser de todos.

“A pessoa com deficiência ela ainda não é vista, ainda não é entendida como parte da diversidade humana. A deficiência faz parte da diversidade. Existem pessoas que são brancas, que são negras, que são idosas, que são jovens e pessoas com deficiência, pessoas sem deficiência e que elas devem estar juntas em todos os espaços, serem e estarem como são”, diz Liége.

A prefeitura de Foz do Iguaçu afirma que o processo de matrícula de Laura demorou porque a escola precisou se adequar às necessidades dela e diz que a mudança na direção da unidade não teve relação com esse processo. O Ministério da Educação não respondeu os questionamentos do Jornal Nacional.

Leia mais aqui.

Ipec/TV Mirante: Lula tem 67% dos votos no Maranhão

 


A pesquisa Ipec/TV Mirante divulgada nesta terça-feira (20) levantou também o cenário da disputa entre os candidatos a presidente da República no Maranhão.

O registro da pesquisa na Justiça Eleitoral está com o número MA 04923/2022. O grau de confiança dos dados é de 95% e a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O instituto ouviu 800 eleitores maranhenses, entre os dias 14 e 20 de setembro.

Segundo a consulta, o entre os eleitores maranhenses, o ex-presidente Lula (PT) tem 67% das intenções de voto (tinha 66% no levantamento anterior). O atual presidente e candidato à reeleição, Jair Bolsonaro (PL), aparece oscilando de 18% para 19% das menções.

As citações em Ciro Gomes (PDT) variaram de 5% para 4%, e em Simone Tebet (MDB) foram de 2% para 3%.

Já os nomes dos candidatos Constituinte Eymael (DC), Soraya Thronicke (UNIÃO), Felipe d’Avila (NOVO), Léo Péricles (UP), Sofia Manzano (PCB), Vera (PSTU) e Padre Kelmon (que entrou para representar o PTB no lugar de Roberto Jefferson que teve a candidatura impugnada pela TSE) são mencionados, mas não atingem 1% das intenções de voto, cada.

A candidatura de Pablo Marçal (PROS) foi cancelada no TSE e, por isso, não consta neste levantamento.

Eleitores que intentam votar em branco ou anular o voto são 2% e aqueles que não sabem ou preferem não responder somam 4% (eram 4% e 5%, nessa ordem, em 23 de agosto).

Campanha de Lula leva propaganda devastadora contra Bolsonaro à TV; assista

 

A campanha do ex-presidente Lula (PT), líder em todas as pesquisas de intenção de votos para a presidência, levou à televisão, nesta terça-feira (20), uma propaganda política que já é considerada a mais dura crítica já feita a Jair Bolsonaro (PL) nesta campanha eleitoral.

Intitulada "A verdade sobre Bolsonaro", a inserção expõe a vida de Bolsonaro desde quando era tenente no Exército, passando por sua fase como deputado e até chegar ao Palácio do Planalto.

Com vídeos de falas do próprio presidente e recortes de matérias de sites e jornais, a propaganda diz, por exemplo, que Bolsonaro foi um "mau militar, preso por indisciplina", "deputado omisso" e "apoiador do regime militar que defende a tortura". Entre as matérias jornalísticas destacadas, consta uma da Fórum sobre o fato do presidente ter sido acusado de plano para explodir bombas em unidades militares em 1987.

A peça política ainda cola em Bolsonaro a pecha de corrupto, expondo vídeo em que ele diz que "sonega tudo o que for possível" e lembrando que sua família comprou mais de 50 imóveis com dinheiro vivo. "Com as mulheres ele é agressivo, mas com o centrão é tchutchuca", diz ainda a narradora.

"Esse é o Brasil de Bolsonaro. O povo fazendo fila para comprar osso. Milionários fazendo fila para comprar jatinho", afirma ainda a voz na propaganda, que é finalizada com uma declaração do presidente sobre "utilidade" das pessoas pobres. "Só tem uma utilidade o pobre no nosso país: votar. Título de eleitor na mão, e com o diploma de burro no bolso".

Assista

Com informações da revista Fórum 

Postado em: 20 de setembro de 2022 | Por: Ezequiel Neves

Mulher é presa após tentar matar o filho de nove meses em Barra do Corda: 'vou matar essa besta-fera'

No último domingo (18), uma jovem de 20 anos foi presa na cidade de Barra do Corda, a cerca de 446 km de São Luís, suspeita de tentar matar o próprio filho, um bebê de nove meses de idade.

Segundo a Polícia Civil do Maranhão, a mulher teria tentado matar a criança por asfixia e espancamento, após ter tido uma desavença com o pai do bebê. O crime aconteceu na madrugada de domingo.

Testemunhas afirmaram à polícia, que a jovem estava em uma festa com o companheiro, quando teve uma briga com ele. Transtornada, a mulher voltou para casa e se trancou no quarto onde o filho estava dormindo. Minutos depois, a criança começou a chorar, enquanto a mãe gritava: “amanhã, todos vocês vêm tomar café no velório” e “vou matar essa besta-fera”.

Os gritos chamaram a atenção dos vizinhos, que foram até o imóvel e arrobaram a porta do quarto, para socorrer a criança, que estava sendo violentamente agredida pela mãe.

Ainda de acordo com testemunhas, a mulher ficava o tempo inteiro gritando que ia matar o filho e chegou a torcer o braço do menino e jogá-lo no chão.

No mesmo quarto estava uma menina de 5 anos, filha da suspeita com outro homem. Segundo os vizinhos, a criança presenciou toda a agressão contra o meio-irmão, mas não foi agredia.

A Polícia Militar foi acionada e prendeu a mulher, que foi levada para a Delegacia Regional de Barra do Corda. Já o bebê, que estava bastante ferido, foi resgatado por uma amiga da suspeita e levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Barra do Corda, ficando sob a responsabilidade da avó paterna.

Segundo a Polícia Civil, tudo indica que a mulher agrediu o filho como forma de se vingar do companheiro, por causa de ciúmes.

O caso está sendo acompanhado pelo Conselho Tutelar da cidade.

PUBLICITÁRIO DIZ QUE FOI PAGO PARA SER APOIADOR “FAKE” DE BOLSONARO NO CERCADINHO DO ALVORADA


247 – O publicitário Beto Viana afirmou ter sido contratado pelo site bolsonarista Foco do Brasil para fazer uma pergunta dirigida a Jair Bolsonaro (PL) de maneira que ele pudesse criticar a TV Globo e o então ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta durante o início da da pandemia de Covid-19. De acordo com a Folha de S. Paulo, Viana admite ter sido pago para, no dia 13 de abril de 2020, questionar se o atual ocupante do Palácio do Planalto teria assistido à entrevista de Mandetta ao programa Fantástico, exibida no dia dia anterior: “Eu não assisto a Globo”, disse Bolsonaro na ocasião. Mandetta foi demitido três dias após o vídeo com a resposta viralizar nas redes sociais.

De acordo com a reportagem, Viana diz que foi indicado para ocupar uma vaga no “cercadinho” destinado aos apoiadores de Bolsonaro “por uma pessoa de nome Anderson, do Foco do Brasil, canal bolsonarista criado por Anderson Azevedo Rossi, com 2,9 milhões de inscritos no Youtube”.

“Mensagens de WhatsApp armazenadas no telefone de Viana mostram que, às 8h26 daquele dia, o contato de nome “Anderson Foco do Brasil” mandou mensagens com o texto literal do questionamento e, posteriormente, orientou-o a sempre se fingir de apoiador e buscar não levantar suspeitas de outros repórteres que fazem a cobertura jornalística no local”, destaca o periódico.

No dia 13, após fazer a pergunta, o fotógrafo recebeu R$ 1.100 da conta da “Folha do Brasil Negócios Digitais”, antigo nome do Foco do Brasil. Ainda segundo Viana, a informação era de que o valor seria um adiantamento de um salário mensal, da ordem de R$ 2.000.

Uma outra mensagem aponta que Viana recebeu a promessa de receber uma ajuda mensal de R$ 500 para o aluguel de uma moradia na Vila Planalto, situada nas proximidades do Palácio da Alvorada.

Diante da repercussão do vídeo, ele acabou sendo encaminhado para fazer imagens de manifestações bolsonaristas na Esplanada dos Ministérios. Cerca de um mês depois, foi dispensado da função.

Menos de três meses após o vídeo viralizar, os endereços do site Foco do Brasil foram alvos de mandados de busca e apreensão, em uma operação da Polícia Federal, deflagrada em julho de 2020, no âmbito do inquérito que apura a realização de atos antidemocráticos organizados por bolsonaristas.

SEM CHANCE NA DISPUTA PARA O SENADO, ROBERTO ROCHA JÁ DEFINIU: VAI DISPUTAR A PREFEITURA DE BALSAS



Ciente da derrota que sofrerá nas urnas para Flávio Dino na disputa pelo Senado, Roberto Rocha já começa a pensar no seu difícil futuro político. E o principal objetivo agora é aproveitar a votação que ele acha que terá em Balsas para mirar a Prefeitura do município em 2024.

Surfando na onda do bolsonarismo, RR prevê que terá uma expressiva quantidade de votos em Balsas, e já começa a se movimentar para retomar a Prefeitura da cidade para sua família, desde que o seu irmão, o enrolado ex-prefeito Rochinha, deixou o comando do município em 2016.

Nos bastidores da política maranhense já se fala que Roberto Rocha vai focar os últimos 10 dias da sua moribunda campanha ao Senado na cidade de Balsas, justamente para começar a confrontar o grupo do prefeito Érik visando as eleições de 2024.

Eleito em 2014 com o apoio decisivo do então candidato a governador Flávio Dino (PSB) e dos partidos da aliança que desbancou o grupo Sarney do poder, Roberto Rocha ganhou a pecha de traidor por ter sido eleito pelos partidos do campo popular democrático e se bandeado para a extrema direita bolsonarista.